Qual a relação entre Agronegócio e Segurança da Informação?

O agronegócio representa uma parcela significativa do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil. Conforme dados do IBGE no ano de 2021, ele representou 27,6% do PIB total. Trata-se de um negócio em expansão, rentável, produtivo e com muita tecnologia e ciência embarcada.

Mas qual a ligação do agronegócio com segurança da informação? Esse pode ser um questionamento muito comum, já que para muitos a visão do agronegócio está muito associada à imagem rural simples e sem tecnologia. Apesar deste cenário ainda existir principalmente com os pequenos agricultores, na maioria das vezes ocorre o oposto: muita tecnologia é utilizada para prover o arroz de cada dia, leite, café e até o pãozinho do café da manhã, entre muitos outros produtos de consumo diário.

QUAIS SÃO AS INFORMAÇÕES DO AGRO

Nos dias atuais o agronegócio pode utilizar sensores IOT (Internet das Coisas) para controlar a plantação, além de plataformas de Big Data, Analytics e Inteligência Artificial (IA). Ele também utiliza aplicações de robótica como drones e outros dispositivos, todos esses sistemas e dispositivos gerando um grande volume de dados.

Atualmente a agricultura de precisão necessita de um ambiente de TI muito bem estruturado para suportar todas essas tecnologias de Big Data e IA. Grandes volumes de dados são gerados e necessitam ser armazenados de maneira segura para que sejam tratados gerando estatísticas do negócio que apoiam na tomada de decisão sobre o que deve ser feito no futuro, visando mitigar erros e maximizando acertos. Esses dados podem ser provenientes dos sensores IOT, dados climatológicos, socioeconômicos, informações fiscais, dados de fornecedores e clientes.

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO AGRO

Todos esses dados trafegando no agronegócio são informações sensíveis ao negócio em si, pois são dados que auxiliam nas estatísticas das safras, auxiliam na tomada de decisão da melhor forma de realizar a manutenção do plantio, além de informações fiscais, de fornecimento e distribuição.

Com isso é necessário voltar as atenções a temas de segurança da informação, como realização de análise de vulnerabilidades, testes de penetração (Pentest) nos servidores, bancos de dados e sistemas que são utilizados para sustentar as tarefas de análise de dados.

Sistemas seguros se tornam essenciais para a saúde do negócio, porém como se trata de um setor que não tem tecnologia da informação como escopo principal, muitas vezes ocorrem problemas provenientes da falta de investimento em Segurança da Informação, já citadas em matérias nas revistas agronômicas, como a Revista Cultivar e Campo & Negócios, o agronegócio pode sofrer com ataques cibernéticos que podem levar informações relevantes a vitalidade do negócio e prejuízos incalculáveis.

 

Skip to content