Tocantins investe em viveiros de mudas nativas do Cerrado para revitalização de suas bacias hidrográficas

Na última sexta-feira, o governador Wanderlei Barbosa efetuou a assinatura da Ordem de Serviço para a instalação do viveiro em Araguatins, norte do Estado

O Programa de Revitalização das Bacias Hidrográficas do Tocantins tem como objetivo a produção de mudas nativas do Cerrado para fomentar o processo de recuperação das Áreas de Proteção Permanente (APPs) como nascentes e matas ciliares que estão degradadas. Com a instalação de quatro viveiros no Estado, a meta é produzir 500 mil mudas por ano.

Esta semana, foi lançado pelo governo do Estado, o projeto do viveiro de Araguatins, região norte do estado, que será financiado pela Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), e mantido em convênio com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), a prefeitura e o Comitê de Bacia dos rios Lontra. A capacidade para produção será de 100 mil mudas de espécies nativas do Cerrado por ano.

Além disso, também estão em fase de instalação os de Natividade e Palmas, e em funcionamento desde 2020, o viveiro de Gurupi. 

Conforme a secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Miyuki Hyashida, “essa é mais uma iniciativa do governo do Tocantins de grande valia, afinal, os viveiros têm alta capacidade de produção de mudas que serão destinadas não somente para o programa de revitalização das nossas bacias, mas também para o reflorestamento de áreas degradadas”.

Segundo o diretor de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos da Semarh, Aldo Azevedo, o programa busca integrar o Estado, a Secretaria do Meio Ambiente, os comitês de bacia, as prefeituras municipais, as instituições de ensino e empresas privadas.

“A Semarh financia a estrutura dos viveiros instalados nas unidades de ensino e os Comitês de Bacia Hidrográfica (CBH`s) ajudam na coleta das sementes de espécies nativas para a produção de mudas da região da qual o comitê faz parte, além de se responsabilizarem também pelo mapeamento das áreas que recebem o plantio das mudas”, explica o diretor Aldo Azevedo.

O Tocantins possui cinco comitês instalados: Comitê da Bacia Hidrográfica do rio Formoso, Comitê da Bacia Hidrográfica do Lago de Palmas, Comitê da Bacia Hidrográfica dos rios Lontra e Corda, Comitê da Bacia Hidrográfica do rio Manoel Alves   e Comitê dos rios Santo Antônio e Santa Tereza.

“O objetivo do projeto é auxiliar fornecendo as mudas produzidas a partir das sementes coletadas por cada comitê e envolvendo os membros dos CBH’s nesse trabalho de consolidação de uma política ambiental estadual”, acrescenta o secretário.

Viveiro

Em Natividade, o viveiro está sendo instalado em parceria com a prefeitura e a Escola Agrotécnica de Natividade, com o apoio do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Manuel Alves, tendo capacidade de produzir 100 mil mudas por ano. O quarto viveiro, já licitado, será instalado em Palmas, no Parque Agrotecnológico do Tocantins, em convênio com a prefeitura, Comitê de Bacia Hidrográfica do Lago de Palmas e a Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), com capacidade de produzir, anualmente, 100 mil mudas.

O viveiro de Gurupi, que tem capacidade para produção de 200 mil mudas por ano, está em funcionamento desde 2020, sendo mantido por meio de convênio com a Universidade Federal do Tocantins (UFT), e parceria dos comitês de bacia do rio Formoso, dos rios Santo Antônio e Santa Teresa e a prefeitura.

Fotos: Marcel de Paula

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content