Amazônia e Cerrado concentram quase 90% dos focos de incêndio até este mês de setembro

São quase 60 mil focos de incêndio na Amazônia, de acordo com dados do satélite do Inpe

Os territórios do Cerrado e da Amazônia concentram quase 90% da quantidade de focos de incêndio até o dia 5 de setembro, os focos de incêndio na Amazônia já contabilizam quase 60 mil, um aumento de mais de 40% comparado ao mesmo período no ano anterior, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Os dados são do Centro de Documentação da Comissão Pastoral da Terra (CPT), e sistematizados pela Articulação Agro é Fogo, os incêndios e os conflitos por terra no país se concentram na Amazônia e no Cerrado, onde o agronegócio invade sem pedir licença

Os números do Cerrado também são alarmantes, pois mais de 30 mil focos assolam a região.

De acordo com os observadores, todos os anos esses territórios são os mais afetados pela devastação intensificada pelos incêndios e até o momento deste ano já concentra quase 90% da quantidade de focos de incêndio.

O relatório do MapBiomas apontou ainda que, juntos, Amazônia e Cerrado representaram 89,2% da área desmatada detectada em 2021.

Já o Centro de Documentação Dom Tomás Balduíno (Cedoc-CPT) assegura que é justamente no período de estiagem ou na tida “temporada do fogo”, que é, na verdade, temporada de crimes, entre julho, agosto, setembro e outubro, que 71% dos conflitos com uso criminoso do fogo ocorrem.

Para os dirigentes da CPT, o que aponta que incêndios e desmatamento fazem parte do mesmo ciclo e se sobrepõem quando o assunto são conflitos por terra no país. “Não é coincidência: incêndios e conflitos por terra andam juntos”, afirmam.

Conforme registros do Cedoc-CPT, apresentados pela Articulação Agro é Fogo, a partir dos dados do Caderno de Conflitos no Campo 2021, temos um sério diagnostico: é no Cerrado, Amazônia e na região de transição do Cerrado que 72% dos conflitos por terra envolvendo o uso do fogo (incêndios florestais, queima de roçados, queima de casa, queima de casas de reza e queima de pertences), estão localizados. Isso significa 83% (31.355) das famílias afetadas por ocorrências envolvendo o uso criminoso do fogo no país e em regiões de conflitos agrários.

Os dados mostram que a Amazônia e o Cerrado que continuam sendo territórios do avanço do agronegócio sobre a sociobiodiversidade mediante os incêndios.

Isso porque dois grandes projetos de expansão do agronegócio, o Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e o Amacro (Amazonas, Acre e Rondônia), regiões de transição do Cerrado, os conflitos por terra aumentaram nos dois últimos anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content