Setor de serviços no Amazonas recua 1,1%, em abril, mas acumula alta de 10,3% no ano

Desempenho coloca o estado na décima sétima posição entre demais unidades da federação. Rio Grande do Norte (7,9%), Amapá (4,6%) e Espírito Santo (3,6%) obtiveram os melhores resultados

Em abril de 2022, frente a março, o volume do setor de serviços recuou 1,1%, no estado do Amazonas. A queda no volume de serviços veio após altas nos meses anteriores: 1,1%, em março, 2,4%, em fevereiro, e 4,9%, em janeiro. Apesar da queda em abril, o setor avançou 9,8%, frente ao mesmo mês do ano passado. Além disso, com as variações, o setor obteve 10,3% de crescimento no ano (janeiro a abril) e no acumulado dos últimos 12 meses, o setor acumula alta de 11,4%, no Estado.

Os dados constam da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada nesta terça-feira (14/6), pelo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No Brasil, o setor de serviços variou 0,2% em abril, acumulando alta de 9,5% em 2022 na comparação com o mesmo período de 2021.

A alta de 9,8% em abril, em comparação com o mesmo mês do ano anterior, inseriu o setor de serviços do Amazonas também em posição intermediária (15º) entre Estados e Distrito Federal. Os melhores desempenhos foram os de Alagoas (39,1%), Amapá (28,8%) e Ceará (20,4%), e as maiores quedas foram as de Rondônia (-4,5%), Acre (-2,4) e Distrito Federal (-1,1%).

Comparativo

O recuo de 1,1%, no volume de serviços, em abril, no Amazonas, posicionou o setor no estado na 17ª posição entre as demais unidades da federação. Os melhores desempenhos foram observados no Rio Grande do Norte (7,9%), Amapá (4,6%) e Espírito Santo (3,6%), e as maiores quedas, no Distrito Federal (-8,2%), Acre (-6,1%) e Pernambuco (-3,9%).

Na comparação com o mês anterior, a alta de 9,8% inseriu o setor na 15ª posição entre os estados e Distrito Federal. Os melhores desempenhos foram os de Alagoas (39,1%), Amapá (28,8%) e Ceará (20,4%), e as maiores quedas foram as de Rondônia (-4,5%), Acre (-2,4) e Distrito Federal (-1,1%).

A alta de 10,3% no acumulado do ano (janeiro a abril), em comparação com o mesmo período do ano anterior, inseriu o setor de serviços do Amazonas também em posição intermediária (13º) entre Estados e Distrito Federal. Os melhores desempenhos foram os de Alagoas (27,5%), Roraima (18,0%) e Ceará (16,5%). As menores variações foram as de Rondônia (-1,5%), Rio de Janeiro (2,3%) e Distrito Federal (2,4%).

Crescimento da receita nominal

Em abril, a receita nominal aumentou 1,1%, frente a março, no Estado. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a receita do setor de serviços no Amazonas aumentou 16,8%. No acumulado do ano, a receita do setor aumentou 17,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já no acumulado dos últimos doze meses, o indicador aumentou 18,2%.

Mesmo com a alta de 17,3% na variação acumulada no ano (janeiro a abril), o índice de crescimento do Amazonas, frente ao mesmo período do ano passado, inseriu o Estado numa posição intermediária (12ª) no ranking dos Estados e DF.

As maiores variações foram as de Alagoas (36,8%), Bahia (25,4%) e Roraima (24,8%), e as menores foram as de Rondônia (5,2%), Rio de Janeiro (8,7%) e Distrito Federal (9,2%). Dessa forma, nenhuma UF teve resultado negativo neste indicador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content