Rede hospitalar do Amazonas registra crescimento de 65,7% desde o inicio da pandemia

Dados estão disponíveis no relatório diário de monitoramento de leitos publicado no site www.saude.am.gov.br. Só em leitos de UTI, a oferta de leitos cresceu 127%

Diante do avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Amazonas, o Governo do Estado reorganizou os hospitais e ampliou leitos para atendimento de pacientes com a doença na rede estadual de saúde.

Somente nas unidades gerenciadas pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam) em Manaus, são 1.138 leitos para Covid-19 – 816 leitos clínicos, 243 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 79 de Sala Vermelha. O aumento foi de 65,7% comparado com os 639 leitos do início da pandemia.

Os dados estão disponíveis no relatório diário de monitoramento de leitos publicado no site www.saude.am.gov.br. O número de UTIs para pacientes com Covid-19 nas unidades estaduais evoluiu de 107, no início da pandemia, para 243 – alta de 127%, conforme último balanço. Os leitos clínicos saltaram de 532 para 816, aumento de 53%.

“Esta evolução é resultado de um esforço muito grande do Governo do Amazonas para reduzir o impacto da pandemia na rede estadual, que já enfrentava uma carência de décadas, de muitos anos sem investimentos”, comemora o governador do estado, Wilson Lima.

Na avaliação dele, a pandemia da Covid-19, que comprometeu o sistema de saúde de todos os países, exigiu respostas rápidas dos governantes, para salvar vidas. “Fomos afetados de uma forma muito dura. Mas seguimos firmes para dar resposta cada vez mais rápida para a população, para salvar vidas, entendendo que ainda temos que manter todos os esforços até vencermos essa doença”, afirma o governador Wilson Lima.

De acordo com números consolidados pela equipe técnica da Susam, até às 11h de sexta-feira (15/05), dos 243 leitos UTI disponíveis na rede pública estadual de saúde para pacientes com Covid-19, 82% estavam ocupados. Dos 816 leitos clínicos, a ocupação estava em 63%.

No Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Delphina Aziz, referência para Covid-19, o Governo do Amazonas ampliou em 72% a quantidade de leitos – saiu de 205 no início da pandemia para 352. O número de UTIs subiu de 50 para 91 e mais 12 leitos para pacientes críticos na sala vermelha, que tem o mesmo padrão de UTI. Com isso, houve alta de 106% nos leitos com suporte avançado de vida na unidade, onde a oferta de leitos clínicos também evoluiu (60,6%), saindo de 155 para 249.

Aumento nos demais HPS – O HPS 28 de Agosto aumentou 99% o total de leitos para Covid-19. Em UTI, o salto foi de 20%, saindo de 40 para 48. O número de leitos clínicos mais que dobrou (122%), saindo de 81 para 180 leitos. A unidade implantou, ainda, 13 leitos de sala vermelha equipados com suporte para pacientes que chegam em estado crítico, incluindo respiradores.

O HPS Dr Aristóteles Platão Araújo, que no início da pandemia contava com 84 leitos clínicos para Covid-19, agora tem mais 21 leitos exclusivos de UTI e quatro de sala vermelha.

O HPS João Lúcio também destacou 68 leitos exclusivos para Covid-19. São 14 leitos de UTI, 11 leitos clínicos e 43 de Sala Vermelha.

Para dar suporte à rede de urgência e emergência, o Governo montou o Hospital de Combate ao Covid-19, na Universidade Nilton Lins, oferecendo hoje 62 leitos clínicos, 14 de UTIs e dois de sala vermelha. O Estado articula, junto ao Ministério da Saúde, a ampliação de leitos na unidade, que tem capacidade para 400 leitos, cuja ativação depende de equipamentos e recursos humanos, itens disputados na redes públicas de todo o país.

HUGV e SPAs

O Governo do Amazonas também conseguiu junto ao Ministério da Saúde a habilitação dos leitos do Hospital Universitário Getúlio Vargas, que acrescentou à rede de combate ao Covid-19 no Amazonas mais 46 leitos para atendimento de paciente com a doença – 12 leitos de UTI e 34 clínicos.
A população conta ainda com 135 leitos em nove Serviços de Pronto Atendimento (SPAs) e duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24h) para receber pacientes com sintomas de Covid-19 estabilizá-los e, caso necessário, encaminhá-los aos grandes hospitais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content