Novo diretor-geral troca chefe da PF no Rio, que investigava Flávio Bolsonaro

Polícia Federal no Rio é responsável por investigações de milícias e do caso Queiroz

Novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Souza, nomeado ontem (4/5) pelo presidente Jair Bolsonaro, decidiu, como primeiro ato, trocar a chefia da superintendência da PF no Rio de Janeiro, que investigava milícias e também denúncias de corrupção envolvendo Flávio Bolsonaro, no caso Queiroz.

A troca no comando da Polícia Federal do Rio foi o estopim da confusão que acabou com a saída de Moro do Ministério da Justiça, Bolsonaro agora nomeou um novo diretor para a PF e o novo diretor, menos de 12h depois de ser efetivado, tirou o superintendente do RJ e transferiu ele para Brasília.
No dia 24 de abril, Sérgio Moro se demitiu do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública após o presidente informar que tiraria Maurício Valeixo da chefia da PF. Moro afirmou que o presidente queria mexer no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência.

“O presidente me disse que queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência, seja diretor, superintendente, e realmente não é o papel da Polícia Federal prestar esse tipo de informação. As investigações têm de ser preservadas”, disse Moro ao anunciar a saída do governo

As acusações levaram à abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal que apura as acusações do ex-ministro. No sábado, Moro prestou depoimento de mais de oito horas na sede da PF.

Sobre o novo dirigente da PF

Rolando Alexandre de Souza foi exonerado do cargo que ocupava na Agência Brasileira de Inteligência e nomeado para exercer o cargo de diretor-geral da Polícia Federal. Ele é considerado braço direito de Alexandre Ramagem, que foi impedido de assumir a PF por decisão do Supremo Tribunal Federal por ser muito próximo da família Bolsonaro.
No entanto, segundo informações de pessoas próximas ao presidente, Ramagem tem participado diretamente das decisões sobre o futuro da PF, enquanto Bolsonaro tenta reverter a decisão do Supremo.

Da redação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content