Produção de bicicletas deve crescer 7,3% em 2020

Em 2019, as fabricantes de Manaus produziram quase 1 milhão de bicicletas com o mesmo nível de qualidade das marcas globais, porém a preços mais acessíveis

As fabricantes de bicicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) fecharam 2019 com 919.924 unidades produzidas, de acordo com os dados divulgados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo. Esse resultado é 18,9% maior do que o volume registrado em 2018, que foi de 773.641 unidades.

Para 2020, a Abraciclo prevê um volume ainda maior. As fabricantes do PIM estimam que serão produzidas 987.000 unidades, representando um crescimento de 7,3% frente ao volume de 2019.

Para Cyro Gazola, vice-presidente do segmento de Bicicletas da Abraciclo, os investimentos em tecnologia e a oferta de produtos de maior valor agregado deverão alavancar ainda mais os negócios com bicicletas. “Os produtos nacionais contam com o mesmo nível de qualidade das marcas globais, porém a preços mais acessíveis, o que vem atraindo cada vez mais os consumidores. Isso se deve ao contínuo investimento que as fabricantes têm feito em tecnologia e modernização”, explica.

O executivo acredita também que o aquecimento da economia, causado pela baixa das taxas de juros e a queda da inadimplência dos consumidores, tem estimulado a compra de bicicletas. “Além disso, vimos nos últimos anos um forte incentivo ao uso da bicicleta como um meio de locomoção e não somente como lazer. Isso se reflete no aquecimento e populariza o uso da bike”, enfatiza Gazola.

Produção em dezembro
Segundo dados da Abraciclo, a fabricação de bicicletas em dezembro de 2019 foi de 20.747 unidades, recuo de 5,1% quando comparado ao mesmo mês de 2018 (21.857) e queda de 73,8% na comparação com novembro de 2019 (79.137). O mês de dezembro, no entanto, é utilizado pelas fábricas de Manaus para férias coletivas e serviços de manutenção e instalação de novos equipamentos nas unidades fabris.

Esse resultado não afetou os números totais do setor e o Polo Industrial de Manaus mantém sua posição como o maior centro fabricante de bicicletas entre todos os países do Ocidente, ficando atrás apenas da concentração fabril do Sudeste Asiático.

Importação e exportação
De acordo com dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat analisados pela Abraciclo, em 2019 a importação em todo o território nacional somou 74.962 unidades, volume 36,3% inferior ante as 117.668 bicicletas registradas no acumulado de 2018.

As bicicletas vieram principalmente da China (57.171 unidades e 76,3% de participação). Na sequência do ranking vieram as importadas de Taiwan (10.777 unidades e 14,4%) e de Portugal (2.518 unidades e 3,4%).

Apenas em dezembro de 2019 foram importadas 6.015 bicicletas, correspondendo a um recuo de 30,4% na comparação com o mesmo mês de 2018 (8.637 unidades) e de 62,5% em relação a novembro de 2019 (16.058 unidades). As três primeiras posições do ranking mensal foram da China (4.854 unidades e 80,7% de participação), Taiwan (969 unidades e 16,1%) e Portugal (128 unidades e 2,1%).

Em relação às exportações, os dados do portal Comex Stat também analisados pela Abraciclo, mostraram que em 2019 saíram das fábricas brasileiras 13.438 bicicletas, representando um aumento de 4,3% em relação às 12.880 unidades registradas em 2018.

O Paraguai foi o principal destino das bicicletas produzidas no Brasil, com 4.017 unidades e 29,9% de participação. A Argentina ficou em segundo lugar (3.868 unidades e 28,8%), seguida pelo Chile (2.679 unidades e 19,9%).
Na análise isolada do mês de dezembro, a exportação de bicicletas em todo o território nacional somou 726 unidades. Para o Paraguai foram enviadas 600 unidades, o que correspondeu a 82,6% do total exportado. Na sequência do ranking vieram a Bolívia (125 unidades e 17,2%) e o Uruguai (1 unidade e 0,1%).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content